INÍCIO    NOSSA MEMÓRIA    INSTALAÇÕES    MATRÍCULAS    LAR DE JESUS    ESTRUTURA    CONTATO

palavras do diretor

apoio pedagogico

eventos (fotos/videos)

calendario escolar

esportes

teatro

hinos

ex-funcionários

mensagens recebidas

identifique a foto

 
LEOPOLDO MACHADO

LEOPOLDO MACHADO DE SOUZA BARBOSA, filho de Eulálio de Souza e Anna Izabel Machado Barbosa. Irmãos João Leopoldino, José de Calazans, Reginaldo, Emílio e Leopoldina. É natural de Cepa Forte, atualmente Jandaíra no Estado da Bahia. Casou-se com Marília Ferraz de Almeida.

Nasceu paupérrimo, desde cedo dedicava-se ao auxílio do lar, quer no aspecto moral, afetivo ou econômico.

Aos doze anos, seu pai ausente , tornou-se o chefe da casa. Tal era seu senso de responsabilidade, seu amor ao trabalho e à família que sua mãe, seus irmãos lhe obedeciam, embora mais moço.



PROFESSOR LEOPOLDO EM MOMENTO DE LEITURA

Desta idade até o fim da vida jamais se separou de sua mãe. Ótimo filho, ótimo irmão, ótimo esposo. Aos dezenove anos ,seu pai,político no interior da Bahia, que havia fugido por perseguições políticas; havia voltado, ganhou uma irmãzinha. A única que teve. Foi quem criou e educou esta irmã de quem também nunca se separou.

Graças a tanta determinação, conseguiu ser depois poeta, jornalista, prosador, teatrólogo, polemista, professor.

Residiu em Nova Iguaçu, no período de 1930 a 22 de agosto de 1957.

Foi o pioneiro do Ensino em Paraíba do Sul, fundando a primeira Escola Normal no interior em 1927 no Colégio Nacional.

Na Baixada Fluminense fundando o Colégio Leopoldo em 1º de fevereiro de 1930,junto com sua mãe, sua irmã e sua esposa.

Foi membro da geração Trianon, que reunía-se na praça Tiradentes para discutir, escrever e compor.

Espírita fervoroso, orador, foi inegavelmente um dos baluartes em sua fé. Viajou o Brasil inteiro pregando sua religião.

Dentre suas obras, podemos também destacar:

Fundou com sua esposa o Lar de Jesus, em 25 de dezembro de 1940, e o albergue noturno Allan Kardec, nos fundos do C. E. Fé Esperança e Caridade do qual foi presidente vinte anos, bem como da escola João Batista. Tanto o albergue como a escola forma desativados.

Foi o idealizador do 1º Congresso das Mocidades Espíritas do Brasil; (filme em 75 mm, vídeo cassete e DVD);

Foi o incentivador do trabalho do jovem e da mulher em sua religião, bem como na escola, provocando uma revolução nos conceitos da época, onde o jovem e a mulher não possuíam participação efetiva; criação da escola Francisco de Assis, no Lar de Jesus;

Foi o incentivador e auxiliador da criação da Associação de Caridade Hospital Iguaçu, criando seu estatuto;

Foi um trabalhador incansável pelo movimento de Unificação Espírita e, podemos afirmar, desencarnou após enfarte sofrido pelo tremendo esforço despendido na, segundo ele, Caravana da Fraternidade, pois a partir daí sua saúde não mais voltou a ser a mesma e reduziu drasticamente suas atividades por recomendação médica.

Foi o idealizador da palavra Lar na utilização de casas de amparo à infância e à velhice em lugar do termo orfanato, ou ainda asilo;

Foi, dentre outros títulos, membro e fundador da Arcádia Iguaçuana de Letras, ocupando a cadeira nº 1, defendendo a tese Caxias um Eminente Iguaçuano (seu último trabalho).


CAPA DE "CAXIAS UM EMINENTE IGUASSUANO" (SEU ÚLTIMO TRABALHO)

Seu discurso de posse foi lido por seu cunhado Waldemiro, devido sua enfermidade. Na posse, presença do historiador Pedro Calmon.

FOTO DA POSSE NO SALÃO DO TRIBUNAL DO JÚRI DO FÓRUM ITABAIANA EM NOVA IGUAÇU - ESTADO DO RIO DE JANEIRO


DA ESQUERDA PARA A DIREITA EM PÉ: NEWTON DE BARROS, RAUL MEIRELLES, LUIZ AZEREDO,
ALCINDO RAPHAEL, DEOCLÉCIO DIAS MACHADO, ALTAIR PIMENTA, CIAL BRITO, WALDEMIRO
PEREIRA, HEITOR PINTO DA SILVA, ZILMAR DE PAULA BARROS, SENTADOS: JOÃO BARBOSA,
FRANCISCO MANOEL BRANDÃO, RUI AFRÂNIO PEIXOTO, LEOPOLDO MACHADO, 
PEDRO CALMON, GETÚLIO MOURA E YBICUY TINOCO DE MAGALHÃES.

Neste livro lança os seus ideais para Nova Iguaçu em soneto:


Assinava obras literárias com vários pseudônimos, dentre os principais destacamos: Pio D’Alvarez ou Pio d’Alva. Leontina Maria, Lima de Madureira e Jeuville Oliver.

ANTERIOR 1 2 3 4 PRÓXIMO


< topo >