INÍCIO    NOSSA MEMÓRIA    INSTALAÇÕES    MATRÍCULAS    LAR DE JESUS    ESTRUTURA    CONTATO

palavras do diretor

apoio pedagogico

eventos (fotos/videos)

calendario escolar

esportes

teatro

hinos

ex-funcionários

mensagens recebidas

identifique a foto

 

 
HINOS

Clique no auto-falante ao lado do título do hino para baixá-lo e/ou ouví-lo.

Hino do Colégio Leopoldo | Hino de Nova Iguaçu | Hino do Estado do Rio de Janeiro

Hino da Proclamação da República | Hino da Independência | Hino Nacional Brasileiro

Hino à Bandeira Nacional | Créditos

 

HINO DO COLÉGIO LEOPOLDO CLIQUE AQUI PARA OUVIR!

Letra: Leopoldo Machado (1891-1957)
Música: Leopoldina Machado (1910-2000)

Aqui é o templo augusto da verdade,
A Catedral excelsa do saber!
Almas cheias de ardor e mocidade,
Entrai. Vinde aprender.
Entrai. Aqui não há semblantes graves
Porque só se respira paz e amor.
São as crianças como um bando de aves
E é quase um pai o mestre, o professor.
Tudo aqui são promessas e esperanças
É belo e doce este calor sentir
Se entrais, agora, tímidas crianças,
Saireis homens de bem para o porvir.
O livro traz suavíssimos prazeres
Ao espírito que ama a evolução.
E nos ensina os múltiplos deveres
Do patriota, do filho, do cristão.
Mãos à obra, meninos, sem demora,
Sede amigos dos livros, estudai.
Quem sabe ser aluno e filho agora,
Saberá ser mais tarde, mestre e pai.
Vistes que da verdade a Escola é um templo.
E do saber excelsa catedral.
Bebei nela, portanto, o suave exemplo
Da justiça, do bem e da moral.

< topo >


HINO DA CIDADE DE NOVA IGUAÇU CLIQUE AQUI PARA OUVIR!

Letra: Pedro Navega
Música: Thereza Stella de Queiróz Pinheiro

Nova Iguaçu!
Terra linda e encantadora,
Desde os tempos de outrora,
Dos meus velhos ancestrais.
Tens uma história,
Cheia de belezas mil,
O encanto Fluminense,
É o orgulho do Brasil.

A Maxambomba!
Dos engenhos do passado,
Nova Iguaçu!
Dos dourados laranjais.

Hoje feliz,
Com teu rico alvorecer,
Com teu progresso e beleza,
Fiz consulta a natureza,
És grande desde o nascer!     BIS

< topo >


HINO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CLIQUE AQUI PARA OUVIR!

O Hino do Estado do Rio de Janeiro, intitulado HINO 15 DE NOVEMBRO, foi composto em 1889 pelo maestro João Elias da Cunha e por ele oferecido ao primeiro Governador, Dr. Francisco Portela. A letra do Hino é de autoria do poeta fluminense Antônio José Soares de Souza Júnior.
Foi oficializado em 29 de dezembro de 1889.

Fluminenses, avante! Marchemos!
Às conquistas da paz, povo nobre!
Somos livres, alegres brademos,
Que uma livre bandeira nos cobre.

Fluminenses, eia! Alerta!
Ódio eterno à escravidão!
Que na Pátria enfim liberta
Brilha à luz da redenção!
Nesta Pátria, do amor áureo templo,
Cantam hinos a Deus nossas almas;
Veja o mundo surpreso este exemplo,
De vitória, entre flores e palmas.
Fluminenses, eia! Alerta!...

Nunca mais, nunca mais nesta terra
Virão cetros mostrar falsos brilhos;
Neste solo que encantos encerra,
Livre Pátria terão nossos filhos.
Fluminenses, eia! Alerta!...
Ao cantar delirante dos hinos
Essa noite, dos tronos nascida,
Deste sol, aos clarões diamantinos,
Fugirá, sempre, sempre vencida.
Fluminenses, eia! Alerta!...
Nossos peitos serão baluartes
Em defesa da Pátria gigante;
Seja o lema do nosso estandarte:
Paz e amor! Fluminenses, avante!

< topo >


HINO NACIONAL BRASILEIRO CLIQUE AQUI PARA OUVIR!

A música de Francisco Manuel da Silva, provavelmente composta em 1831, foi oficializada somente no segundo ano da República (1890) e sua letra, autoria de Osório Duque Estrada, adotada oficialmente em 1922.

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
de um povo heróico o brado retumbante,
e o sol da liberdade, em raios fúlgidos,
brilhou no céu da pátria nesse instante.

Se o penhor dessa igualdade
conseguimos conquistar com braço forte,
em teu seio, ó liberdade,
desafia o nosso peito a própria morte!

Ó Pátria amada,
idolatrada,
salve! Salve!

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
de amor e de esperança à terra desce,
se em teu formoso céu, risonho e límpido,
a imagem do cruzeiro resplandece.

Gigante pela própria natureza,
és belo, és forte, impávido colosso,
e teu futuro espelha essa grandeza.
Terra adorada,
entre outras mil,
és tu, Brasil,
ó pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
pátria amada,
Brasil!

Deitado eternamente em berço esplêndido,
ao som do mar e à luz do céu profundo,
fulguras, ó Brasil, florão da América,
iluminando ao sol do novo mundo!

Do que a terra, mais garrida,
teus risonhos lindos campos têm mais flores;
"Nossos bosques tem mais vida,"
"Nossa vida" no teu seio "mais amores".
Ó pátria amada,
idolatrada,
salve! Salve!

Brasil, de amor eterno seja símbolo
o lábaro que ostentas estrelado,
e diga o verde-louro dessa flâmula
- paz no futuro e glória no passado.

Mas, se ergues da justiça a clava forte,
verás que um filho teu não foge à luta,
nem teme, quem te adora, a própria morte.
Terra adorada,
entre outras mil,
és tu, Brasil,
ó pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
pátria amada,
Brasil!

< topo >


HINO DA INDEPENDÊNCIA CLIQUE AQUI PARA OUVIR!

Composto por D. Pedro I, em 1821. Em 1922, Evaristo da Veiga escreveu novos versos, que constituem a letra atual.

Já podeis, da Pátria filhos,
Ver contente a mãe gentil;
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá temor servil!
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.

Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil:
Houve mão mais poderosa,
Zombou deles o Brasil.

Brava gente, brasileira...
Não temais ímpias falanges
Que apresentam face hostil:
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.

Brava gente, brasileira...
Parabéns, ó Brasileiros!
Já com garbo juvenil,
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil.
Brava gente, brasileira!...

< topo >


HINO DA PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA CLIQUE AQUI PARA OUVIR!

Obra de 1890, música composta por Leopoldo Américo Miguez(1850-1902) e letra escrita por Joaquim de Medeiros e Albuquerque (1867-1934).

Seja um pálio de luz desdobrado
Sob a larga amplidão destes céus
Este canto rebel, que o passado
Vem remir dos mais torpes labéus!
Seja um hino de glória que fale
De esperanças de um novo porvir!
Com visões de triunfos embale
Quem por ele lutando surgir!

Liberdade! Liberdade!
Abre as asas sobre nós!
Das lutas na tempestade
Dá que ouçamos tua voz!

Nós nem cremos que escravos outrora
Tenha havido em tão nobre país...
Hoje o rubro lampejo da aurora
Acha irmãos, não tiranos hostis.
Somos todos iguais! Ao futuro
Saberemos, unidos, levar
Nosso augusto estandarte que, puro,
Brilha, ovante, da Pátria no altar!
Liberdade! Liberdade!...

Se é mister que de peitos valentes
Haja sangue no nosso pendão,
Sangue vivo do herói Tiradentes
Batizou este audaz pavilhão!
Mensageiros de paz, paz queremos,
É de amor nossa força e poder,
Mas da guerra nos transes supremos
Heis de ver-nos lutar e vencer!

Liberdade! Liberdade!...
Do Ipiranga é preciso que o brado
Seja um grito soberbo de fé!
O Brasil já surgiu libertado
Sobre as púrpuras régias de pé!
Eia, pois, brasileiros, avante!
Verdes louros colhamos louçãos!
Seja o nosso País triunfante,
Livre terra de livres irmãos!
Liberdade! Liberdade!...

< topo >


HINO À BANDEIRA NACIONAL CLIQUE AQUI PARA OUVIR!

Letra: Olavo Bilac
Música: Francisco Braga

Salve, lindo pendão da esperança!
Salve, símbolo augusto da paz!
Tua nobre presença à lembrança
A grandeza da Pátria nos traz.

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Em teu seio formoso retratas
Este céu de puríssimo azul,
A verdura sem par dessas matas,
É o esplendor do Cruzeiro do Sul.

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Contemplando teu vulto sagrado
Compreendemos o nosso dever;
E o Brasil, por seus filhos amado,
Poderoso e feliz há de ser!

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Sobre a imensa nação brasileira,
Nos momentos de festa ou de dor,
Paira sempre, sagrada bandeira,
Pavilhão da justiça e do amor!

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil

< topo >


CRÉDITOS:
Teclado (Hino Colégio Leopoldo e Hino de Nova Iguaçu): Carlos José de Menezes
Voz (Hino Colégio Leopoldo e Hino de Nova Iguaçu): Paulinho Leopoldo e Lais Sobreira Vianna

< topo >